Na coxia

Tinha acabado a peça e estava suado e com o ombro sangrando. Cortara num arame espetado para fora de uma madeira feia do cenário. Medo da porra de pegar um tetano, coisa parecida. E ainda tinha que catar aquele meio mundo de elementos de cena espalhados na coxia. A porra do técnico de luz desligou as luzes da coxia, um bréu danado. Mas num cantinho, com uma luz de parede dava pra ver a novata do elenco catando as coisas dela no canto. Ela estava curvada pegando seus figurinos embolados no chão. E a blusa era muito grande pra ela, o que dava para ver completamente seus seios pequenos, mas bem rijos. Bonitos. Inevitavelmente lambeu os lábios e se enrijeceu inteiro. Lindos peitinhos.
- Você tem seios lindos, disse ele sem muito pensar.
Ela corou. Vermelha.
- Deu pra ver e não pude não falar.
- Tudo bem, respondeu ela, sem graça.
Ele passou. E estava sem camisa. Ela tinha um tesão grande por ele. Mas meso não sabia direito que tinha esse tesão todo. Mas o fato dele olhar seus peitos. Isso deu um certo desconserto. E ele estava sem camisa. E gostava, gostava muito da barriga dele. Da cor dele, bem escuro e a bunda redondinha.
- E você tem uma bela bunda, falou meio trêmula, mas realmente querendo atiça-lo.
- Brigada. Não sabia que você notava...ele era vaidoso...muito.
- Também não sabia que você me notava...
- Ah, isso você sabia sim...
- Sabia, riu...sabia. E gosto da sua barriga também. Você tem um corpo bonito. Parabéns.
- Pra você também.
Dez segundos. Um silenciosinho. Dois risos de canto de boca. Dele. Dela.
- Tá machucado seu ombro, disse ela se aproximando. Tava escuro mais dava pra ver aquele sanguezinho descendo por aquele ombro bem negro. Ela aproximou. Pegou no braço dele e deu um beijo. Pra sarar.
Ele pegou no peito dela. Mão inteira grande, macia e forte. Apertou. Ela lambeu o sangue. Subiu um pouco, mordeu seu braço. Inteiro, grande e forte. Ele suspendeu sua blusa e chupou o peitinho.Duro, com bico grande e teso, muito teso. Assim como ele. Ela gemeu. Colocou o dedo na boca. não podia fazer som. Tinha gente ainda pelo palco. Mas naquele canto, só eles dois tinham coisas...e tava bem escuro.
Encostaram-se na parede. Enquanto mordia seu bico do peito, ele passava a mão pelas coxas muito grossas dela, pele lisinha. Apalpava sua bunda grande, também negra. E logo sentira a calcinha fina, fina. Dedilhando encontrou a vagina já muito úmida. E ela passava a mão pelo cabelo crespo dele. Tentava lamber sua orelha. Ele penetrou sua vagina com os dedos, tintilou seu clitóris veloz. E ela na escuridão catando onde estava o pênis dele, grande e grosso. Esfregou a mão por cima da calça do figurino dele. Mas ele estava mesmo era doido para chupá-la. E foi ótimo. Ela com as pernas bem abertas, uma por cima do ombro que sangrava, outra bamba, sustentando ela no chão. Chupava lindamente.
- Morde...morde, suplicava. Adora quando lhe mordiam a buceta.
Obediente ele mordeu e percorria inteiro a vagina bem cheirosa. Esfregava a barba.
Dali para diante, foi fácil. Ela estava inteira úmida e ávida pelo pau dele. Ergueu-se de novo e comeu-a primeiro devagarinho, devagarinho. Colocando seu pau grosso inteiro...depois o retirando. Não faziam som algum. Ela comia sua orelha. Rápido ele a virou de costas. Ela tinha uma bunda vistosa. Era bom comê-la vendo aquela bunda arrebitada pra ele e amassar seus peitinhos enquanto penetrava.
- Morde minha nuca...morde...ela tinha um quê de gata no cio. E ele não discutia muito mordeu...enquanto enfiava mais rápido. Enquanto pegou seu dedo e devagar e colocou no seu cu.Ela gemeu um pouco mais alto. Mordeu a própria mão. Era bom sentir tudo aquilo...Bem bom...
Gozaram junto. Bem estranho pra uma primeira vez. Ajeitaram-se. Ela lambeu o rosto dele inteiro. Deu um beijo em seu pinto.
Ajeitaram-se. Alguém chamava seus nomes. Reunião no camarim. Cacete! Foram...cara suada. Ninguém notou. Só o braço dele...sangrando...coitado. Porra de arame do cenário.

8 comentários:

Frida Cores disse...

Amiga, que é isso? Adorei! Que delicia de conto!Todas as imagens bem nitidas. Fiquei com vergonha do meu último post...rs.
Seja bem vinda!

Anônimo disse...

Maravilhoso. Parabéns.

Alan Miranda.

Anônimo disse...

Mônica, eu já tinha o maior tesão por você, depois desse conto meu tesão aumentou em intensidade. Desculpe a sinceridade, mas depois de lê-la escrever tão abertamente, não resisto e escrevo um pouco do muito que gostaria de te falar.

Isis disse...

Muito bom!Parabéns!!

claudio disse...

Danadinha!!!!

PatSodré disse...

É de excitar.
Muito bom.
=D
Parabéns [2]

Bárbara Jolie disse...

Srta. M.
Que estréia! Ler esse blog dá frio na barriga - uau!!! Pelos outros comentários, imagino o sucesso nessa e em outras casas...

Isa Lorena disse...

Muito bom o texto Moniquinha!
Seha bem vinda! e que estréia maravilhosa heim?!
Bjs!