das paixões.

Tinha ficado perturbada com o telefonema.
- Preciso muito te comer.
Não tinha como dizer não. Rebeca sabia que não deveria ceder a este impulso, mas em seu corpo já pulsava a necessidade de ser comida por ele. Só em pensar em vê-lo novamente já estava úmida.
Passaria para pegá-la em dez minutos. Não havia muito tempo. Correu para o banheiro, tirou a calcinha e pos na bolsa. Estava apenas de vestido.
Desceu as escadas correndo e o esperou na frente do prédio. Logo ele chegou e Rebeca entrou em seu carro. Nervosa, esboçando um sorriso amarelo. Leve constrangimento. O coração saindo pela boca. Nada falaram.
Mais alguns minutos e ele encostou o carro. Era a deixa.
Pulou em seu colo, beijando-o loucamente. Esfregavam seus sexos, enquanto as mãos dele percorriam o corpo de Rebeca sofregamente, apalpando-lhe a bunda, as coxas, os seios.
E entre apalpadas e beijos, ele a penetrou. Ali, entre o banco e o volante, pernas embaralhadas e desajeitadas, nunca cadência intensa e apaixonada.

9 comentários:

Lisavietra disse...

Digam a Rebeca que as mulheres precisam deixar de querer reprimir os seus impulsos; sobretudo os sexuais. Porque na maioria das vezes o final é feliz, como nessa estória...

Filipe Lopes disse...

hummm
uma rapidinha bem sapeca.
;)

Patrícia Sousa Bernardes disse...

Amiga...
É para comentar?
Precisamos almoçar juntas para eu te contar o que Rebeca aprontou na minha cabeça...Pudica e sem iniciativa? A disposição do CARA ou querendo transar mesmo?
Ela é assim?Mesmo?
Sou parente dela não? Acho que sou pior que ela...rs
Bjos...Paty Bernardes

Isis disse...

Assim no vuco-vuco q eh bom!!
No apertinho do carro!!

Isa Lorena disse...

Boa rapidinha essa heim? delícia!

flaviasuzane disse...

Dá meu telefone para ele!!
Ah, e diz que pode me chamar de Rebeca rsrsrsr

Monica disse...

Acho que ninguém nunca me ligou dizendo quero te comer agora. Droga!

Helena de Tróia disse...

kkkk isso já aconteceu comigo,muito bom namorar no carro... hummmm que saudade!

Ray disse...

Muito bem escritos, parabéns! Mas namorar no carro, sempre bom demais. As coisas nao mudam, nos e que sonhamos e arriscamos menos, fechamos uma cortina sobre nossos olhos e com isso, tudo a nossa volta brilha um pouco menos.
Mas esses contos sao como pequenas janelas que tem vista pra algo aconteceu ou poderia ter acontecido.
So comecamos a morrer quando perdemos o poder de sonhar.