Volúpias de amor intenso

Ela o queria na boca primeiro. E enquanto se abraçavam, só pensava em devorá-lo. Era comum aquela vontade, era corriqueiro o desejo de perder-se em seu caminho, deslizando sua língua por todo comprimento, mordiscando de leve, provocando, faceira, até detê-lo inteiro entre seus lábios. Então entre beijos, confessava o querer irremediável. E ele se contorcia só de pensar em seu fálico abocanhado. Ela beijava a nuca, passeava pelas orelhas e deixava escapar sussurros quase inaudíveis, pequenos gemidos enlouquecedores. E ele se entregava inteiro, de olhos fechados e de si, desperto. Ela descia pelo peito, sua língua entre os poros, arrepiáveis volúpias de amor intenso. Os bicos rígidos imploravam lambidas e ela, escrota, se fazia de sonsa e então descia mais, até o ápice da barriga, fingindo chegar ao destino, para depois revelar armadilha. Então subia e arrancava-lhe um beijo e ele, ofegante, não tinha palavras. E depois de um sorriso, ela ia resoluta encontrar o seu brinquedo e apertava aquela bunda com suas unhas de tigresa.

Ele puxava os seus cabelos e olhava a fera insana enquanto era devorado. E segurava o gozo afoito que corria pelas veias. Ela o sentia latejante e sugava ainda mais, dividida entre a espera do gozo e a vontade de senti-lo em outra boca. E como num adivinhar atrevido, ele a puxou de súbito e enfiou-lhe o pau com vontade, fazendo-a uivar de desejo. E então bailaram juntos, colados num abraço quase violento, como se os corpos, em alinhados quereres, pudessem fundir-se, ao encontro do gozo.

Um comentário:

Fabio disse...

ual puxa sem comentarios