das descobertas.

Ana já percebia que o que sentia por Julia era muito mais que amizade. Sentia-se muito confusa com o que acontecia. Era estranho. Tinha medo. A presença de Julia tornava-se a cada dia fundamental para ela. Sentia uma vontade imensa de estar perto, e um carinho enorme, porém não havia desejo, não havia tesão.

Imagina... não sentia tesão por mulher. Não. De jeito nenhum. Mas dentro de si, um gostar crescente e incontrolável.

Dia desses, resolveu promover um encontrozinho amistoso em sua casa, e Julia apareceu para uma despretensiosa tarde de filmes, pipoca e brigadeiro de panela. Foi uma gostosa tarde de domingo.

Chegando o momento da despedida, como de costume, abraçaram-se carinhosamente. Um abraço gostoso, apertado, com mãos deslizando pelas costas.

Ana respirou forte o perfume no pescoço de Julia... perfume tão suave... Sentiu vontade de permanecer ali, dentro daquele abraço, sentindo aquele cheiro gostoso e acariciando a pele macia. Seu coração batia mais forte.

Sim! A desejava certamente. A desejava tal qual macho e fêmea.

Não resistiu e tocou-lhe o pescoço com os lábios. Sentiu o corpo de Julia arrepiar. Esta a abraçou mais forte, apertando Ana contra seu corpo.

Permaneceram naquele abraço um longo tempo, com as mãos e as bocas a acariciar seus corpos. As bocas procuravam-se sem pressa, deslizando pelos olhos, pelos narizes, pelo queixo, pelo canto da boca... culminando no delicioso encontro de macios lábios.

As mãos ávidas buscavam os seios por debaixo da blusa... e despiam-lhe os corpos.

A boca de Ana navegava delicadamente pelo corpo de Julia. A língua percorria os mamilos, corria pela barriga, brincava com o umbigo. Os dedos exploravam-lhe o sexo úmido. Desceu seu rosto até o púbis com os cabelos acariciando a pele... Sentia o cheiro de seu desejo... beijou seu sexo suavemente e fez sua língua despetalar suas entranhas numa explosão de prazer.

Seus movimentos seguiam-se como um espelho...eram duas, e eram apenas uma, fundidas pelo mesmo desejo.

15 comentários:

Aléxis Góis disse...

esse blog deveria ser proibido para solitários workallics... daqui sinto o abraço e cheiro de cada palavra... delícia de texto.

Edson Tavares disse...

De fato, jamais um abraço foi tão minuciosamente e sensualmente detalhado. Senti as respirações ofegantes das duas se misturando, com os rostos a milímetros de distância...
Abraço inteiro, fundindo as duas, como num impossível espelho tridimensional.
Permitam-me participar deste abraço, para cumprimentá-la, autora e personagem, pela sutileza e beleza da narrativa.

Anônimo disse...

Lindooooo!!! Parabéns pelo texto.. suave, bonito e sensualissimo!!

Jão disse...

Aff...assim não dá.
Viajei com esse conto.
Deu vontade de ser um dos personagens desse conto...

x-ratho disse...

adoro contos lésbicos... esse então está delicioso!

Anônimo disse...

Eu senti o desejo, o toque, a carícia. Desejei ser Ana, quis ser Julia... Não sei. Tudo tão real e delisiosamente envolvente. Parabéns

gis disse...

Muito bom!!! adorei o texto!!! sexy, suave e muito bem construido. Parabens!!

b.muniz disse...

intenso.

Filipe Lopes disse...

sou privilegiado por conhecer o rascunho original. se o texto anterior já estava quente, esse daqui então... benzadeos.

InsAna! disse...

Odeio ela. Vou dormir sozinha agora, e as imagens que foram criadas pela descrição dela e pela minha imaginação (que podem se tornar uma só também, nessa imagem resultante) vão ficar e zombar da minha solidão na cama antes de dormir... até dormir...

Ariadne disse...

Que troço,..., uma coisa,..., um ..., ai..., gente!!!,..., Olha!?

Diversidade.com disse...

Lindo LIndo!

Flor Lima disse...

=)

Anônimo disse...

gostosíssima essa descoberta!!

Água Doce disse...

Nossa, parabéns. Belíssimo, suave, vaporoso...uma delícia!