A carona.

Ela me contou com uma cara tão devassa o que tinha feito no carro naquele dia, que eu não pensava em outra coisa até então. Nosso contato era crescente e eu a achava linda, além de tudo. De vez em quando saíamos juntas e trocávamos muitas figurinhas sobre os nossos devaneios sexuais, experiências e afins. Mas nunca tinha rolado um interesse explícito, até aquele dia.

- Vai pro lado de lá?
- Vou sim! Tem carona é?
- Tem.
- oba!

Fomos tricotando até o carro e até então, eu ainda estava com a cabeça voltada para o trabalho intenso do dia, e os papos giravam nesse contexto. Entrei no carro. Imediatamente me veio a imagem dela, ali dentro, se amando com os dedos. Arrepiei. Ela entrou logo depois e ainda falava alguma coisa quando me olhou:

- Que cara é essa rapaz?
- Han? Ah, nada, viajei aqui...
- É, vc viaja demais!

Rimos enquanto ela dava a partida e eu, descarada, não parava de pensar nos meus próximos atos. Tinha de ser cauteloso, de certa forma, pois podia ser uma coisa nova pra ela e se houvesse uma negativa, ia ficar bem chato depois.

- Lembrei agora do que me contou.
- O que?
- De você se masturbando no carro...
- Ai meu deus! Eu te contei né? Nunca tinha feito isso antes!
- Pois é. Fiquei doida quando me contou aquilo.
- Foi?
- Total. Fiquei num tesão do caralho.
- huuummm
- E aí? Vamos pela paralela?

Ela me olhou e entendeu. Sorriu. Sabia o que eu queria. Devia estar explícito ali, na minha cara e eu não tinha nenhum porquê explícito pra negar.

- O que é que você ta tramando, heim Nina?
- Ah, sei lá... Você podia fazer de novo pra me mostrar como foi né?
- hahahahaha
- Sério... Ou então eu faço pra você... Acho que ia ser mais gostoso ainda.
- ...
- Que tal?
- Pára. Pára que assim não dá...
- Não dá o que? Ta melada já é?
- Nina...

Peguei na perna dela. Já estávamos na altura do Iguatemi. Ela é boa de volante, o corpo tremeu, o carro, não. Olhou nos meus olhos e não pediu pra parar. Era o sim que eu precisava. Mas ela tava nervosa...

- Falta muito pra entrar na Paralela?
- Você sabe que não...

Apertei de leve sua coxa. Subi um pouco a mão. Ela gemeu.

- Nina, pára com isso...
- Tem certeza?

Olhou nos meus olhos novamente. Sua cara, indescritível. Estava de vestido longo, novo, estampado, que desenhava a cintura e os peitos. Alisei a parte interna de suas coxas no momento em que ela entrava na Paralela.

- Foi aqui né?
- Foi...

A voz saiu embargada, enquanto eu passava a mão em sua vulva. Estava quente e ela devia estar derretendo. Eu também estava e ela sabia. As janelas de seu carro são escuras e o vidro estava todo fechado. Mas o ar condicionado já não bastava para o calor que havia ali. Impulsivamente tirei minha calça e fiquei de calcinha.

- Vamos ver quem está mais quente e melada?

Dei um beijo em sua nuca e a senti tremer todinha enquanto eu levantava o seu vestido. Já estava ensandecida lambendo suas orelhas quando senti sua mão em minhas pernas.

- Passa a marcha direitinho ta? E vai devagar pela direita ta...
- Sua puta...

Quando os dedos dela adentraram a calcinha, eu quase gozei. Ela já gemia em minhas mãos, que lancinantes, a comia quase inteiras, deslizando em sua xana, brincando com seu clitóris.

- Se concentre...
- Eu vou te matar Nina...

Estava perigoso demais. Nós sabíamos. Mas não dava pra para ali. Uma de nós precisava se concentrar, ao menos por enquanto, até que pudéssemos descer do carro, até que eu pudesse comê-la inteira. Aproveitei o momento em que ela foi trocar a marcha para me virar um pouco na cadeira e descer meu rosto até suas pernas.

- Ai meu deus!
- Não chama por deus não, caralho, que quem ta te comendo sou eu!

Consegui descer um pouco a calcinha e me deparei com uma depilação completa. Enlouqueci. Ela se reclinou um pouco no banco e a vulva, mais exposta, ficou ao alcance da minha língua. Chupei sua alma sem critérios prévios e ela gozou na minha boca gemendo alto, me fazendo enlouquecer. Levantei e dei um beijo rápido em sua boca e prontamente me voltei ao meu gozo, enquanto ainda a sentia ofegante ao volante. Toquei gostoso o meu corpo, quase deitada na cadeira, e gozei gemendo alto, como ela.

Quase desfaleci na cadeira. Nos olhamos e rimos. Era o fim da paralela.

- Nina...
- Oi gostosa...
- Quer carona amanhã?




8 comentários:

Ric@rdo disse...

Também to precisando de carona!

Beijo...

Paulo Bono disse...

o bom cola velcro.
uma beleza.

abraço

Mariana Massarani disse...

Um beijo!
Mariana

Frida Cores disse...

nooooossaaaaaaaaaaa, muito delícia!!!!!!

Lucile disse...

Sempre cai bem uma carona! rsrsrrsr

Srta. M. disse...

Menina, esse é o conto, viu? É o conto!

PatSodré disse...

Nunca peguei uma carona dessas... UAU.

Celine Ramos disse...

Aiiiii....quem quer me dá carona?